19
Dom, Nov

+ Notícias

Uma reunião para debater os desdobramentos da Operação Carne Fraca e esclarecer as medidas adotadas pelo MAPA desde a sua deflagração foi realizada, na manhã desta terça-feira (31/10), no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, e contou com apresentação do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

O debate, organizado pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC), também contou com participação popular e de entidades de classe, entre elas, o Anffa Sindical, representado pelo presidente Maurício Porto e o vice, Marcos Lessa.

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal (PF), teve início em 17 de março deste ano e buscou desarticular um esquema de corrupção envolvendo servidores do MAPA e donos de frigoríficos nos estados do Paraná, de Minas Gerais e Goiás.

Na ocasião, o ministro Blairo Maggi falou sobre a repercussão mundial da Operação e sobre a atual situação da exportação brasileira e atuação do MAPA para recuperar o mercado de exportação.

“Nossos concorrentes quiseram usar essa operação para nos diminuir e assumir postos ocupados por nós mas, com competência e persistência, conseguimos diminuir esse impacto. Temos ainda um mercado muito grande pela frente. O Brasil é um dos maiores produtores de alimentos do mundo e continuará sendo se a gente ajustar as coisas internamente”, explicou Maggi.

Ainda segundo o ministro, atualmente, 56 países exportam com inspeção reforçada ou estão com suspensão parcial.

Para o presidente do Sindicato, Maurício Porto, apesar das declarações positivas de Maggi, pouco foi realmente realizado para evitar ocorrências futuras, semelhantes à da Carne Fraca. “A ingerência política dentro do MAPA permanece e os cargos de gestão continuam sendo ocupados por indicações políticas e não por critérios técnicos e processos meritocráticos como deveria acontecer”, enfatiza Porto.

O debate contou, também, com participação de cidadãos que puderam interagir online e enviar perguntas pelo portal e-Democracia. Para assistir à gravação da audiência pública, na íntegra, clique aqui