12
Qua, Dez

MAPA

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Maggi assinou, nesta segunda-feira (26/11), a Instrução Normativa (IN) nº 74, que regulamenta a utilização de cães de detecção de odores (farejadores) nos procedimentos de fiscalização agropecuária. A assinatura aconteceu com a ilustre presença do cão Léo, que fiscaliza voos internacionais que chegam a Brasília.

Na ocasião, segundo informações do MAPA, Léo circulou pelo ministério, recebeu afagos e foi muito fotografado. Além de Léo, atualmente a Fiscalização Federal Agropecuária conta com outro companheiro peludo, o Thor, que trabalha em Curitiba (PR).
A versatilidade destes animais é considerada grande, já que são capazes de vistoriar correspondência, cargas, drogas e explosivos. Segundo dados do Ministério, os cães podem trabalhar ao longo do dia, com pequenos intervalos, reconhecendo cerca de 80 tipos de odores diferentes.

O Auditor Fiscal Federal Agropecuário Ângelo Queiroz, treinador do Centro Nacional de Cães de Detecção (CNCD) e unidade K9 de Brasília, conta que a expectativa para publicação da norma era grande, pois estabelece formalmente o trabalho desses animais e permite, agora, a expansão para outros aeroportos.

“Não é de hoje que homem trabalha com o auxílio de cães e ficamos muito gratos e realizados por perceber que o MAPA reconhece a importância e a utilidade do trabalho desses amigos”, celebra o treinador que também esteve presente na assinatura da IN.

Ângelo explica que, com a regulamentação, o trabalho dos cães passa a ser um programa formal no MAPA, permitindo a expansão necessária para cobrir as necessidades da Fiscalização Federal Agropecuária no país em todos os postos, portos e aeroportos que precisam ter uma unidade canina.

Segundo o Auditor, com a regulamentação, mais 3 cães já estão sendo treinados e devem ser enviados, até meados de 2019, aos aeroportos de Guarulhos (SP), Galeão (RJ) e Belém (PA).

Ainda de acordo com o AFFA, no total, 10 cães devem ser doados ao MAPA pelo Ministério Público do Distrito Federal e Teritórios (MPDFT).

“Além disso, um dos projetos da SDA é contratar um projeto arquitetônico e de Engenharia, já no final de 2018, para construção do CNCD, com início das obras previsto para ocorrer em no máximo dois anos, a contar da data de assinatura do ato”, afirma Ângelo.

Com base em informações do MAPA, os novos cães também deverão atuar na fiscalização nas fronteiras dos estados que iniciarem a retirada da vacinação contra a febre aftosa, a partir do próximo ano: Acre, Roraima e Paraná. O objetivo é monitorar a entrada de produtos de origem animal e evitar a entrada da febre aftosa no país.


 

0
0
0
s2sdefault