24
Qui, Mai

AFFA na mídia

A expertise e o trabalho de coordenação de inteligência dos AFFAs (Auditores Fiscais Federais Agropecuários) foram os elementos cruciais para culminar na Operação Trapaça, que é uma das fases da operação Carne Fraca, deflagrada nesta segunda-feira (5/3), em parceria com a Polícia Federal. Na ocasião, o ex-presidente do grupo BRF, que é a maior processadora de alimentos do Brasil, Pedro de Andrade Faria, teve mandado de prisão temporária decretado pelo juiz André Wasilewski Duszczak, da 1ª Vara Federal de Ponta Grossa (PR).

Ao todo, participam desta etapa 21 AFFAs. Um deles, o coordenador-geral de Apoio Laboratorial da SDA (Secretaria de Defesa Agropecuária), Rodrigo Barbosa Nazareno, foi peça-chave para o início das investigações.

“Tudo começou em outubro, quando tivemos evidências de possíveis fraudes laboratoriais durante a rotina normal de trabalho e percebi que era necessário adicionar mais ferramentas para confirmação desses casos”, disse o AFFA.

De acordo com Nazareno, preocupado com a questão, ele entrou em contato com a PF, em Curitiba, onde foram verificadas as fraudes, e, a partir de então, deu-se início a um trabalho apurado de investigação, com parceria envolvendo a Polícia Federal e o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

“A divulgação dos resultados colhidos por nós, em parceria com a PF, é motivo de alegria, pois mostra claramente a importância de defendermos a agropecuária nacional, o que repercute também na política econômica do país. Foi uma forma que proteger ainda os produtores rurais que vendiam seus produtos a empresas como essas que tinham métodos escusos para se beneficiar”, explica o coordenador-geral de Apoio Laboratorial da SDA.

Ele também citou o trabalho incansável da SDA e do Dipoa que colaborou para desmascarar as fraudes no setor.
 

Veja a nota do Anffa Sindical sobre o assunto e a repercussão da mídia