05
Sáb, Dez

+ Notícias

Na manhã de hoje (11/11), o Auditor Fiscal Federal Agropecuário (Affa), Anselmo Vasconcelos Riverte, explicou detalhadamente sobre o assunto, inclusive de cuidados, forma de transmissão, dentre outros. Com esta validação de métodos de diagnóstico da peste suína africana, o Brasil está preparado para atuar caso a doença chegue.

“A validação da técnica representa um avanço, a gente vem fazendo uma padronização desde o ano de 2015, bem antes dos surtos que vêm ocorrendo no mundo. Tivemos uma importação de materiais infectados que permitiu que comprovássemos que que a técnica está apta a poder fazer um diagnóstico de qualidade. Todo o procedimento foi feito pela equipe do Laboratório de Diagnóstico de Doenças Virais do Ministério da Agricultura da  LFDA-MG”, explicou.

A principal forma de disseminação da doença é através da entrada de produto de origem animal. “O vírus da peste africana é bastante resistente nos produtos, tanto in natura como industrializados, como defumados, salgados, o vírus permanece viável. A entrada desses produtos e o seu fornecimento para outros suínos acabam por levar a introdução no país”, acrescentou o Affa. Dessa forma, é preciso todo cuidado para que o vírus não entre no país.

Assista à entrevista na íntegra abaixo

 

.

 

 

 
 
 
0
0
0
s2sdefault