18
Seg, Jan

Notícias do Sindicato

Nesta quinta-feira, 17/12, a Diretoria Executiva Nacional fechou o ciclo de reuniões, inclusive, dos membros que compõem a atual gestão. O propósito foi de fazer um balanço geral das pastas, com apresentação de relatórios, prestação de contas, tanto financeira como administrativa. Foram tratados assuntos como o processo eleitoral, emendas parlamentares, plano operativo, gestão de qualidade, dentre outros.  

O encontro foi híbrido (presencial e online), por conta dos problemas que afligem a segurança, causados pela pandemia da Covid-19. “Foi muito importante, sobretudo, em podermos fazer uma avaliação da gestão. Cada diretor, cada secretário fez uma avaliação da sua pasta, dizendo aquilo que evoluiu, que pode melhorar, de tudo que trabalhamos, durante o decorrer deste ano de 2020, com dificuldades”, disse o presidente do Anffa Sindical, Maurício Porto. Participaram, ainda, Auditores Fiscais Federais Agropecuários (AFFAs) que vão continuar na diretoria e assumirão no final de dezembro/2020, como o presidente eleito e atual coordenador do Conselho de Delegados Sindicais, Janus Pablo.

“Estamos deixando o Sindicato de forma enxuta, bem arrumada, bem posta, tanto administrativa como financeiramente.  Fizemos uma prestação de contas com relação a isso. Esperamos que os próximos colegas que estão assumindo, deem sequência a esse trabalho e possam melhorar. Toda gestão que entra, vem com propostas de melhoria e crescimento”, afirmou Porto.

O presidente fez uma avaliação positiva do período da gestão, especialmente com relação à organização da categoria e da entidade.  “Fizemos capacitação de pessoal, ocorreu uma série de situações em que houve melhorias, inclusive, com relação aos pleitos. Não se evoluiu muito, com relação à questão do país, que enfrentou uma polarização em 2014, depois veio um impeachment em um governo impopular. Em seguida, veio outra polarização com a eleição passada, tivemos prisões de autoridades, denúncia de corrupção nos três poderes. Todo esse ambiente trouxe muita dificuldade para nós. Sobretudo, uma coisa que pesou muito nesses períodos, foram as operações da Polícia Federal, que atingiu a categoria. Pessoas que denegriram a imagem e fomos favoráveis a isso, algumas, nós denunciamos. Não coadunamos com nada ilícito, isso bateu forte, inclusive, nas operações Lucas, Trapaça, Fugu, Carne Fraca, várias delas que atingiu diretamente nossa categoria. Tivemos evolução em alguns pleitos como a contratação de todos os 540 colegas que foram aprovados no concurso Mapa/2017, concluiu a questão da regulamentação da indenização de fronteiras, atendendo 160 municípios, bem mais do que as demais categorias contempladas conforme Lei nº 12.855/2013. Nós somos a categoria que tem maior capilaridade no Brasil. Vem a questão da importância do nosso trabalho, um segmento que se trata de segurança alimentar, saúde pública, abastecimento do país, alimentação do país e de mais de 170 países pelo mundo. Ainda, proteção das nossas lavouras e rebanhos, através Defesa Agropecuária e da Vigilância Agropecuária Internacional, questão dos adidos agrícolas e tantas outras atividades que exercemos e são essenciais ao país. Tanto assim, que somos considerados carreiras com atividade exclusiva de estado”, enalteceu.

 

Reuniões da Direx

Em tempos normais, a Direx realizava entre nove a dez reuniões anuais, de forma presencial. Desta vez, por conta da pandemia, totalizou 30, sendo 27 online e três presenciais. “Uma em fevereiro, na sede, outra em março, em Pernambuco e esta última, em formato híbrido, além das outras, remotamente, pelo aplicativo Zoom”, acrescentou o presidente. Ele ainda reforçou a segurança dos colaboradores neste momento delicado do ano e deixou claro que tudo foi cumprido, conforme planejado. “Não deixamos de cumprir todas as nossas obrigações, apesar de muitas dificuldades, na sede mesmo. Por alguns meses o pessoal ficou em home office, depois passou a ter escalas, horário reduzido, exatamente para proteger nosso patrimônio, que é o nosso funcionário, nosso colaborador”.

 

Mensagem do Presidente

“Deixo mensagem de muita esperança e prosperidade para a carreira. Eu acho que este período de dificuldades que nós tivemos foi de provação, de nos prepararmos para trabalhar melhor e fazer melhor. Tenho certeza que a categoria vai continuar crescendo, como carreira, vai continuar prestando esse trabalho essencial à sociedade brasileira, ao setor produtivo nacional, e, espero que daqui três anos, a diretoria que está assumindo, possa fazer uma avaliação mais positiva da situação. Esperamos, que o país melhore, para prosperarmos. O Ministério da Agricultura precisa de nós, a agricultura brasileira precisa de nós, a população brasileira precisa de nós, e até parte da população mundial”.

 

A transmissão dos cargos para a nova diretoria, com mandato até 2023, ocorrerá no próximo dia 29, às 10h, na Sede do ANFFA Sindical, de forma virtual, somente com a presença do atual presidente, Maurício Porto, do vice-presidente, Marcos Lessa e do presidente eleito, Janus Pablo.

 

Acesse a Ata da reunião.

 

0
0
0
s2sdefault