19
Dom, Mai

+ Notícias

Por Ribamar Oliveira e Edna Simão | Valor

Brasília - Para fazer as estimativas sobre a evolução das despesas e receitas do Regime Próprio de Previdência dos Servidores (RPPS) da União, nos próximos dez anos, o governo de Jair Bolsonaro não considerou os efeitos decorrentes de eventuais reestruturações de carreiras, admitiu que não haverá contratação de funcionários no período para substituir os que forem saindo e projetou um aumento da remuneração de apenas 1% ao ano. 

Para ler a matéria completa, clique AQUI. (É preciso ser cadastrado no site Valor Econômico).

0
0
0
s2sdefault