14
Qua, Nov

Notícias do Sindicato

Em 2017, cumprindo mais uma tese aprovada do Congresso dos Auditores Ficais Federais Agropecuários (Conaffa), foi criado um Grupo de Trabalho (GT) coordenado pela Secretaria de Administração da Diretoria Executiva do Anffa Sindical, e composto pelos Auditores Agropecuários, Elenita Albuquerque (SC), Jorge Uzuelli (SP) e Josélia Santos (MA).

Foram analisadas e discutidas as políticas de saúde, segurança no trabalho e clima organizacional dentro do contexto Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), como a efetiva proteção oferecida pela administração.

O projeto, que visa identificar fatores que propiciam segurança, saúde e clima organizacional no trabalho desenvolvido pelos AFFAs, bem como causas de adoecimento e fatores de interferência na qualidade do ambiente laboral, está com o andamento parado na pasta.

Devido a dificuldades relativas ao afastamento dos membros do Grupo de seus locais de trabalho, foram realizadas, em Brasília, 3 reuniões do GT entre abril e agosto daquele ano. No último encontro, foi apresentada uma prévia dos resultados do trabalho realizado reforçando a necessidade de investir empenho para garantir a observância do direito pelos servidores da categoria, com base no decreto nº 6.833, de 29 de abril de 2009. (Veja aqui)

Depois de referendado pela Direx e pelo Conselho de Delegados Sindicais, foi encaminhado o ofício nº 236/2017, ao Secretário Executivo do Mapa, Eumar Novacki, solicitando maiores informações quanto à situação operacional do sistema nas unidades do Ministério.

Na última quarta-feira (05/09), o presidente da entidade, Maurício Porto, juntamente com seu vice, Marcos Lessa, e o secretário de Administração, Luiz Gonzaga Matos Filho, estiveram na Coordenação-Geral de Administração de Pessoas (CGAP), pleiteando o progresso da solicitação.

“O Mapa está sendo oficiado novamente, pois o sistema já existe, mas não funciona e queremos que ele vigore, por isso nossa proposta de implantação. Esperamos que o Ministério dê os devidos encaminhamentos a essa matéria que é de interesse não só dos AFFAs, como de todo o corpo de servidores da pasta. O Sindicato se preocupa não só com as questões salariais, como, também, luta para prezar o bem estar e a qualidade de trabalho”, declarou Porto.

De acordo com o Estatuto, cabe a Direx preparar um plano operativo durante sua gestão para executar as diretrizes aprovadas na conferência trienal, promovendo o engrandecimento e a realização dos objetivos sociais e culturais do Sindicato dentro deste período. No primeiro Congresso da categoria, que foi realizado em Belém, no ano de 2009, foram aprovadas 32 teses e executadas 23, o que totalizou 79%. O segundo, em Salvador, 18 de 27 proposições foram adotas, fechando em 72%. Já nesta gestão atual, no Conaffa de 2014, ocorrido em Santa Catarina, 107 teses foram aprovadas e, no primeiro mandato que acabou em 2017, a Diretoria executou 88 delas, consumando em 85%. Até 2020, está prevista para serem implementadas outras 43 que foram validadas no ano passado.
 

0
0
0
s2sdefault