30
Ter, Mai

Delegacias Sindicais

A DS (Delegacia Sindical) do Rio Grande do Sul divulgou uma nota de apoio (veja aqui) ao trabalho do Ministério Público Federal e da Polícia Federal na Operação Semilla, que desarticulou um esquema de corrupção que teria beneficiado empresas do agronegócio junto à Superintendência do Ministério da Agricultura no Estado. O objetivo era anular ou reduzir multas em troca de propina. A denúncia partiu, inclusive, da Delegacia Sindical gaúcha, que recebeu apoio incondicional do Anffa Sindical e de órgãos parceiros.

Na nota, os dirigentes da DS lembram que “o êxito do trabalho que resultou em afastamentos e indiciamentos começou com a coragem e determinação de colegas Auditores Fiscais Federais Agropecuários que, unidos em prol de um mesmo ideal, conseguiram comprovar através das evidências necessárias o esquema vergonhoso de corrupção que se instalou dentro da Superintendência Federal do RS durante a gestão do ex-superintendente Francisco Signor”.

Mais adiante, o texto ressalta a necessidade da meritocracia dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ao criticar indicações de interesse, realizadas por conveniências políticas e pessoais.

Exemplo – A denúncia dos filiados gaúchos se assemelha à disposição corajosa do delegado sindical do Paraná, Daniel Gouveia, que denunciou o esquema de fraudes em frigoríficos do estado, que originou na operação Carne Fraca, da Polícia Federal.

Após a denúncia e quase dois anos de investigações, a PF prendeu, no dia 17 de março, 38 pessoas envolvidas em um grande esquema de venda ilegal de carnes, dentre elas, Auditores Fiscais Federais Agropecuários.

Desde então, o Anffa Sindical vem se posicionando favoravelmente ao trabalho da PF e defendendo que o trabalho para que cargos de chefia sejam ocupados por servidores públicos selecionados por meio de processos meritocráticos. Ou seja, por competência técnica, contribuindo para o fim de influências políticas.