12
Qua, Dez

AFFA na mídia

A Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) recebeu no dia 27/11, os seis novos Adidos Agrícolas nomeados pelo Presidente Michel Temer. Os profissionais são diplomatas técnicos que representarão o Brasil e o agronegócio brasileiro no exterior junto as embaixadas em alguns países.

A função de cada Adido Agrícola é promover o agronegócio nacional, trabalhando para abrir, manter e ampliar mercados para os produtos brasileiros, além de apoiar a cooperação internacional. Trata-se de uma carreira ocupada por servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para se tornar um Adido, um dos requisitos é ter no mínimo 10 anos como servidor do Ministério para concorrer a função. “ Todos são auditores fiscais agropecuários, e como é da carreira de auditor fiscal, ou são agrônomos ou veterinários. Nessa turma de seis adidos novos, temos um veterinários e cinco agrônomos” disse a Coordenadora dos Adidos Agrícolas, Edilene Cambraia Soares.

Os Adidos têm um mandato de quatro anos no exterior, após o fim deste mandato, eles retornarão ao Brasil aonde serão obrigados a ficar por dois anos e podem se candidatar para outro país novamente, com um novo processo de seleção

Durante todo o mês de novembro, os novos Adidos passaram por um processo de preparação. Eles visitaram as instituições de pesquisa e o setor produtivo para ter um conhecimento do agronegócio brasileiro como um todo. “O objetivo de visitar a Esalq é justamente conhecer o que a Universidade está fazendo em termo de cooperação internacional, e o que os adidos podem ajudar a Universidade, a Esalq ou qualquer outra instituição de ensino de pesquisa brasileira nesses termos de cooperação”, contou Edilene.

Os seis novos Adidos trabalharão nas embaixadas nos países como Colômbia, Canadá, União Europeia, Marrocos, Egito e Indonésia. Entre eles, está Gustavo Bracale, formado na turma de 1999 em Engenharia Agronômica da Esalq. Bracale escolheu a Indonésia, por se tratar de um local ainda pouco conhecido pelo agronegócio brasileiro. “A Indonésia me pareceu bastante interessante, bem desafiador. O mercado asiático é pouco conhecido pelo agronegócio brasileiro, e lá terei um potencial grande de trabalho”, contou Bracale.

Luciana Pimenta Ambrozevicius terminou o doutorado na Esalq em 2010 e seguirá como Adido Agrícola para o Canadá. “Trabalho na área de biotecnologia e biossegurança de organismos geneticamente modificados. Na área de biotecnologia, temos um trabalho muito forte com o Canadá, então é um país que sempre tive interesse, e assim que abriu essa vaga, resolvi tentar”.

A Professora Helaine Carrer, Presidente da Comissão de Relações Internacionais da Esalq, falou sobre a importância desta visita para a Esalq. “Recebe-los traz uma valorização bastante grande para nós, pois eles vão conhecer a nossa atuação dentro da agricultura no Brasil, também no agronegócio e nos representar fora do Brasil. Toda essa cooperação internacional, das interações que envolve também o intercâmbio de possibilidade de alunos, então não somente na questão profissional, mas também acadêmica”, disse a professora. A previsão para o embarque dos Adidos aos futuros postos é na na última semana de dezembro.        

Fonte: Grupo Cultivar

0
0
0
s2sdefault